Modelo importado da Inglaterra em 1854
Malaposta

Em 1859, a ligação entre Lisboa e Porto através das carreiras da Malaposta fazia-se em 34 horas e passava por 23 estações de muda. Apesar do bom serviço que as diligências prestavam nessa altura, a sua extinção foi irreversível com o aparecimento do comboio, embora se mantivessem em actividade durante mais algum tempo, como atestam os «manuais do viajante» da época.

08 fevereiro 2007

Cabeça fumegante

H á dias em que as pessoas acordam dadas às filosofias. Se tal acontece, nada nos faz parar. Numa comparação grosseira, trata-se de algo semelhante ao começar a cantarolar uma melodia, pela manhã, que só nos larga a cabeça à noite, já na cama. Caso uma dessas reflexões profundas nos venha à ideia (estamos em presença, sempre, de um raciocínio brilhante, uma vez que é nosso...), temos a ousadia de pensar que nunca ninguém em tal houvera pensado...

Desta vez, a minha cabeça começou a fumegar sob o efeito da seguinte questão: se a velhice está cada vez menos cotada na bolsa de valores da sociedade, por que raio (expressão pouco consentânea com os rigores da filosofia) nos congratulamos tanto com o aumento da esperança média de vida das pessoas? Claro que, dirão muitos, não se trata, apenas, de viver mais, mas também de viver melhor... Mas a dúvida reside no entendimento daquilo que se considera "viver melhor". E, nesta matéria, acaba-se sempre a pensar em assistência médica permanente, lares de idosos confortáveis e ocupação lúdica do dia-a-dia... Em bom rigor, é um entendimento em tudo semelhante ao que se aplica às crianças, apenas na direcção contrária. Se, no caso destas, o que está em jogo é criar-lhes condições de "entrada" na vida dita "activa", no que respeita aos que estão no final do ciclo vital trata-se das condições de "saída". Se os infantes representam o "esboço" de um projecto, os velhos são o "rescaldo" do mesmo. Ora, o que mais me dá que pensar é a

verificação de que cada vez é menor o prazo para a execução do projecto e maior o prazo de preparação e de pós-execução. Espera-se de nós que, durante um quarto de século, estejamos embrenhados nos treinos para concretizar o que foi exaustivamente planeado; depois, dão-nos uma ou duas décadas, no máximo, para mostrar aquilo de que somos capazes; passado esse tempo... acabou.

Na bolsa da "vida activa", as nossas acções entram em queda progressiva até deixarem de estar cotadas. Ora, esse período considerado agora de perda correspondia dantes a uma fase de estabilidade e solidez no mercado, à qual era possível chamar... "maturidade". Mas, agora, a maturidade deixou de existir e, quando já nos mandaram definitivamente para fora dos mercados de capitais, chamam-nos piedosamente "seniores", "idosos" ou de "terceira (ou quarta) idade"...
A partir daqui, é-nos concedido um rol de benesses: passeios da junta de freguesia, com oferta dos bonés amarelos sobrados da colónia de férias das crianças; mesas novas no jardim, para os torneios de sueca; meia dúzia de lugares no metro; descontos na CP, mesmo que não se possa subir para o comboio; frequência da universidade da terceira idade; festa dos cem anos, no lar, com bolo de velas e reportagem telivisiva; ser entrevistado para protestar contra a falta de médico na freguesia... De que serve, pois, darem-nos papel para acrescentar páginas à nossa biografia sabendo, à partida, que ficarão em branco, porque nos tiraram a caneta da mão?

in NM, JN..
Link "fumegante"

Click no Link "fumegante", ligue o som das colunas e aprecie o som do TGV, começando na coluna direita e terminando na coluna esquerda, até ouvir o "apito final". Depois, sim, click no "ENTRE" (fumegante). Olhe que vale a pena "ENTRER"!!! Não perca as belíssimas imagens (depois tem ainda outras opções).

Etiquetas:

Home»»Hi!

3 Comments:

At 09 fevereiro, 2007 22:23, Blogger Diogo said...

Tem toda a razão meu caro Castro. O indivíduo é visto como um «trabalhador». Nos primeiros 25 anos prepara-se, nos segundos 35 «é útil à sociedade», e nos últimos 15 despede-se. É uma visão utilitarista e idiota da vida humana. À merda com o «curso superior», com a «carreira profissional» e com os «bonés amarelos». Somos pessoas de berço à sepultura!

 
At 10 fevereiro, 2007 09:42, Blogger Diogo said...

Bom clip de vídeo. Temos de nos questionar sobre o que realmente somos: se pessoas, se máquinas descartáveis.

 
At 10 fevereiro, 2007 14:27, Blogger martelo said...

essas conjecturas passam pela ideia de muita gente, mas o problema nacional é que esta sociedade não é vocacionada para o bem social e humano; estamos longe das sociedades avançadas como a da Suécia, muito longe e não se vislumbra...

 

Enviar um comentário

<< Home

since 05.12.2005

  • [_Top of Page_]
  • Malaposta

    Subscribe to: Posts (Atom)

    Referer.Org: Referer.Org.Feeds Free counters!