Modelo importado da Inglaterra em 1854

Em 1859, a ligação entre Lisboa e Porto através das carreiras da Malaposta fazia-se em 34 horas e passava por 23 estações de muda. Apesar do bom serviço que as diligências prestavam nessa altura, a sua extinção foi irreversível com o aparecimento do comboio, embora se mantivessem em actividade durante mais algum tempo, como atestam os «manuais do viajante» da época.

26 fevereiro 2007

What is behind?...

IRAN: THE NEXT WAR? Russia’s delay of Iran’s nuclear reactor?

What is behind Russia’s delay of Iran’s nuclear reactor?


ussian officials suddenly announced on Monday that work on Iran’s nuclear power reactor at the southern port of Bushehr would be slowed due to Tehran’s failure to make scheduled payments on the construction contract. Far from being an ordinary commercial dispute, the delay is another pointer to the extreme tensions produced by the Bush administration’s military threats against Iran.

The Russian announcement came just two days before a UN Security Council deadline for Iran to shut down its uranium enrichment facilities. Tehran, which insists that all its nuclear programs are for peaceful purposes, has refused to comply. The Bushehr reactor, which is being completed by Russian firms, is designed to produce electricity and is not included in the UN resolution.

According to Sergei Novikov, spokesman for Russia’s nuclear agency Rosatom, Iran is behind in its financial commitments. “In February no payments were made. In January we received just $5.1 million of the $25 million due,” he said. Underfinancing, Novikov explained, would influence the agreed timetable, including the delivery of nuclear fuel and the launch of the reactor.

After repeated delays, Russia and Iran agreed last year to a timetable for the reactor’s completion: the delivery of nuclear fuel was due by March 2007 and the launch of the facility in September, with electricity generation to start in November. Now the supply of nuclear fuel will be delayed. According to Andrei Cherkasendko, an official with the Russian state nuclear power company Atompromresursy, operations will probably not commence until mid-2008.

The announcement provoked an angry Iranian response. Muhammad Saeedi, deputy director of the Atomic Energy Organisation of Iran, denied the country had been late in making payments. He insisted that the financial problems lay with the Russian contractor, not on the Iranian side. On Wednesday, Gholam-Ali Haddad-Adel, the speaker of the Iranian parliament, urged Russia to complete the reactor on time and warned that a delay “will have adverse affects on the minds of the Iranian people”.

It is evident that “non-payment” is simply an excuse for the delay. Iran wants to make payments in euros, rather than US dollars, as part of its stated policy of holding reserves and settling accounts in currencies other than the dollar. As part of its campaign against Tehran, the Bush administration has been pressuring European and Asian banks to freeze Iran’s dollar-denominated accounts. Rather absurdly, Rosatom has refused Iranian payment in euros, with a renegotiation of the original contract accordingly.

Several commentators have noted the $1.3 billion contract signed in 1995 is no longer as profitable for the Russian contractors involved. Any renegotiation of the contract could be used to squeeze some more money from Iran. The high-profile project is, however, an important aspect of Iranian-Russian relations. A petty dispute over the nearly completed Bushehr reactor could compromise Moscow’s hopes for further nuclear construction contracts that have been mooted to follow.

The Rosatom decision was obviously a political, rather than a commercial decision. Moscow has repeatedly resisted pressure from Washington over the past decade to pull out of the project altogether. At Russia’s insistence, the international sanctions imposed under a UN Security Council resolution in December excluded the Bushehr reactor. At the same time, the Moscow government is deeply concerned that the Bush administration will exploit the nuclear issue as the pretext for a military attack on Iran and has been pressing Iran to shut down its uranium enrichment and related facilities.

Coming immediately prior to a debate in the UN Security Council on Iran’s nuclear programs, there is no doubt that Moscow is using the Bushehr project as another lever against Tehran. Moreover, Washington is demanding the imposition of harsher economic sanctions against Iran. Russian President Vladimir Putin could be planning to use the delay in the Iranian reactor as a bargaining chip in the backroom haggling between the major powers that will inevitably accompany any new UN resolution.

There may well be other calculations, however. Russia is acutely aware of the danger of a US attack on Iran. A second US aircraft carrier group led by the USS John C. Stennis arrived in the region on Monday, placing two aircraft carriers in the Persian Gulf for the first time since the US invasion of Iraq in 2003. The US has also placed Patriot anti-missile batteries in several of its Gulf state allies. The threatening military build up has been accompanied by an escalating US propaganda campaign against Iran’s nuclear programs and its alleged support for anti-US insurgents in Iraq.

Commenting to the Lebanese magazine Al-Watan Al-Arabi on Wednesday, Russian Foreign Minister Sergei Lavrov warned the US against using its troops in Iraq against other countries in the region, including Iran. “The multinational force in Iraq should abide strictly by the UN Security Council’s mandate, which does not provide for any operations outside the country,” he said. “The escalation of the conflict and its possible spread beyond Iraqi borders will inevitably result in catastrophic consequences and not for the Middle East alone.”

As Lavrov well knows, the absence of a UN resolution did not stop the Bush administration from launching the illegal invasion of Iraq in March 2003, which Russia and the rest of the UN Security Council rubberstamped. Nor will any UN resolution, or lack of one, prevent the White House from attacking Iran.

The BBC reported on Monday that the US Central Command had completed drawing up a list of targets for an air war on Iran, including its nuclear facilities and most of its military infrastructure. Among the list of nuclear targets is the Bushehr reactor, even though its purpose is the provision of electricity and an agreement has been signed to return all spent fuel rods to Russia

In this context, the Russia’s announced delay in the Bushehr project takes on a more sinister aspect. The most critical component of the timetable is the provision of reactor fuel—enriched uranium—which was due to take place next month. Once the fuel is loaded, any air strike on the reactor has the potential to send a plume of radiated dust and debris into the atmosphere affecting not only Iran but neighbouring countries. Russian technicians employed on the site would also be endangered, threatening to provoke an international incident.

The sudden Russian delay raises the obvious question: just what does the Putin administration know about the Bush administration’s plans for a military attack on Iran?

Fonte: Global Research.



24 fevereiro 2007

The Life of Brian



22 fevereiro 2007

Lição espanhola

Como se verifica, falta aqui um rectângulo! Porquê? Porque em tempos recuados eram frequentes os 'negócios' entre barões de lá e baronesas de cá!...
Apontar o rato sobre a imagem.

Ao longo dos últimos 5 anos, Espanha cresceu 8 vezes mais rápido do que Portugal!

Nos últimos cinco anos a Espanha cresceu oito vezes mais rápido do que Portugal! Num mercado quatro vezes superior e uma maior centralidade europeia são por si só suficientes para explicar as diferenças de crescimento entre Portugal e Espanha nos últimos anos? Certamente que não. É claro que os dois factores ajudam e, sobretudo, tornam Espanha menos influenciável e mais preparada para choques económicos externos - como o de 2001, em que a economia mundial entrou em recessão - mas não respondem, por si só, a diferenças tão marcantes.


segredo da "modiva" espanhola e da sua crescente e real ambição no xadrês europeu não é fruto da conjuntura nem nasceu agora. Passou, nos anos 90, por ter resistido a engordar e politizar a sua administração pública quando a taxa de desemprego ultrapassava os 20 por cento da população activa. Ao invés, com a adesão ao mercado europeu e a chegada de fundos comunitários, o país redimensionou toda uma economia enfraquecida por décadas de um relativo imobilismo e proteccionismo. E assim, quando em Portugal os sucessivos Governos publicitavam uma das taxas de desemprego mais baixas do espaço europeu - com entradas maciças na administração central e local - Espanha teve o cuidado de enfrentar a enorme tensão social e reestruturar para, mais tarde, reagir em força.

Os resultados estão à vista: ao longo dos últimos cinco anos, Espanha cresceu oito vezes mais rápido do que Portugal e o dobro da média europeia. O nível de vida de um trabalhador espanhol aproximou-se do padrão europeu e o dos portugueses regrediu, tornando-nos ainda mais pobres, comparativamente. Com um Estado a pesar substancialmente menos na economia, uma administração pública bem mais eficaz e contas equilibradas, Espanha teve fôlego para cortar na carga fiscal e captar investimento. Portugal aumentou-a, empurrado por um défice sempre em derrapagem e com o IVA a ser um factor de peso na concorrência das empresas nacionais com o principal parceiro e rival comercial.


um quadro de economia aberta, o velho e bafiento adágio popular "nem bons ventos, nem bons casamentos" tem sido, desde há muito, substituído por uma palavra-chave: competitividade. E Portugal não se tem mostrado à altura do desafio; quer por culpa de um empresariado pouco dinâmico, quer por responsabilidade de um Estado que foi, lentamente, asfixiando a economia. Em questões macro, o bem-estar social no curto prazo raramente significa prosperidade no longo. Espanha é, nesse campo, uma lição a ter em conta.

O autor do Malaposta já se encontra "retired" e gostaria de ir viver para Espanha, nomeadamente Olivenza, de que gosta muito. No entanto, e para continuar a receber a sua pensão que o Sócras tem vindo a diminuir, contentar-se-ia em ficar em Portugal, mas perto da fronteira, em sítio bonito e sossegado (longe da confusão das grandes cidades), particularmente no bonito concelho de Borba, perto de Vila Viçosa, terra da Florbela Espanca (ver mapa). Estaria perto da fronteira, por isso com facilidade de atravessar para o "lado de lá", podendo assim benificiar de melhores condições nas compras que desejasse fazer. Acresce que, para continuar a ser útil à sociedade, pediria emprego como porteiro nesta Escola ou então como servente na Casa de Terena.



20 fevereiro 2007

US 'Iran attack plans'

US contingency plans for air strikes on Iran extend beyond nuclear sites and include most of the country's military infrastructure.

It is understood that any such attack - if ordered - would target Iranian air bases, naval bases, missile facilities and command-and-control centres.The US insists it is not planning to attack, and is trying to persuade Tehran to stop uranium enrichment.

The UN has urged Iran to stop the programme or face economic sanctions.

But diplomatic sources have told the BBC that as a fallback plan, senior officials at Central Command in Florida have already selected their target sets inside Iran.

That list includes Iran's uranium enrichment plant at Natanz. Facilities at Isfahan, Arak and Bushehr are also on the target list, the sources say.

Two triggers

BBC security correspondent Frank Gardner says the trigger for such an attack reportedly includes any confirmation that Iran was developing a nuclear weapon - which it denies.

The Natanz plant is buried under concrete, metal and earth
Alternatively, our correspondent adds, a high-casualty attack on US forces in neighbouring Iraq could also trigger a bombing campaign if it were traced directly back to Tehran.

Long range B2 stealth bombers would drop so-called "bunker-busting" bombs in an effort to penetrate the Natanz site, which is buried some 25m (27 yards) underground.

The BBC's Tehran correspondent France Harrison says the news that there are now two possible triggers for an attack is a concern to Iranians.

Authorities insist there is no cause for alarm but ordinary people are now becoming a little worried, she says.


Earlier this month US officials said they had evidence Iran was providing weapons to Iraqi Shia militias. At the time, Iranian President Mahmoud Ahmadinejad said the accusations were "excuses to prolong the stay" of US forces in Iraq.

Middle East analysts have recently voiced their fears of catastrophic consequences for any such US attack on Iran.

Britain's previous ambassador to Tehran, Sir Richard Dalton, told the BBC it would backfire badly by probably encouraging the Iranian government to develop a nuclear weapon in the long term.

Last year Iran resumed uranium enrichment - a process that can make fuel for power stations or, if greatly enriched, material for a nuclear bomb.

Tehran insists its programme is for civil use only, but Western countries suspect Iran is trying to build nuclear weapons.

The UN Security Council has called on Iran to suspend its enrichment of uranium by 21 February.

If it does not, and if the International Atomic Energy Agency confirms this, the resolution says that further economic sanctions will be considered.

BBC News.



18 fevereiro 2007

"Nova" Arma de Putin

Energia. A “nova” arma de Putin

P utin não tem ao seu dispor nada semelhante ao poderio militar de Bush mas não será essa circunstância que o vai impedir de exercer a influência mundial que aspira para a Rússia. Tem outra arma, eventualmente tão eficaz como a militar, para projectar poder para fora das fronteiras: a arma da energia.[1]

Não lhe faltam condições para a poder usar com eficácia. A Rússia tem das mais importantes reservas mundiais em petróleo (o segundo maior exportador do mundo) e gás natural (a maior reserva do mundo, aproximadamente o dobro da do Irão, que tem a segunda maior). Tem, no seu próprio país, uma longa experiência da sua utilização para fins políticos: quer para recompensar vizinhos que não contestam as suas políticas (Bielorrússia) quer para penalizar os que se acham no direito de pensar de forma diferente (Geórgia e Moldova)[2].

Putin tem em andamento, ou prestes a iniciarem-se, importantíssimos projectos de construção de pipelines que lhe vão permitir colocar as capacidades de exportação ao nível da produção. Presentemente, dos sete milhões de barris produzidos por dia apenas quatro milhões são exportados por pipeline; os restantes têm que seguir por caminho-de-ferro ou via fluvial. A disponibilidade de portos de águas profundas é também muito limitada.Europe map Esta situação alterar-se-á com a construção de duas novas condutas. A primeira, já acordada com a Alemanha, ligará um campo de produção de gás na Sibéria Ocidental, passando por Petersburgo e depois através do Mar Báltico até à Alemanha, um projecto que já foi confirmado pela Senhora Merkel[3] e que se espera reduzirá a dependência alemã das fontes de petróleo. A segunda desenvolver-se-á entre a Sibéria Oriental e o Pacífico, num trajecto de mais de 4000 quilómetros, para transporte de cerca de 1,5 milhões de barris de petróleo por dia, para clientes na região do Pacífico/Ásia, incluindo o Japão e, possivelmente, a China.

Foi neste contexto geral, que se assistiu ao recente conflito russo/ucraniano sobre fornecimento de gás natural, no final deste ano. O assunto teve, como não podia deixar de ser, importantes reflexos sobre a Europa e vai, provavelmente, levar a União Europeia a rever as suas políticas energéticas. Aliás, a Áustria, actualmente com as responsabilidades da Presidência, já anunciou a iniciativa da próxima apresentação de um relatório com propostas de eventuais medidas para corrigir a situação de dependência energética em relação à Rússia, que alguns sectores consideram excessiva.

Vejamos, com mais algum detalhe, o que de facto foi a crise energética ucraniana. Aliás, o mais sensato é prepararmo-nos para a sua continuação e prováveis reflexos sobre a Europa.

A Rússia tem fornecido energia às antigas Repúblicas da antiga USSR, hoje Comunidade de Estados Independentes (CIS – Commonwealth of Independent States), a preços muito inferiores ao mercado internacional[4]. Estes fornecimentos pertencem ao mercado da Gazprom[5], uma companhia russa gigante na área da exploração e comercialização de energia, cuja propriedade foi recentemente liberalizada por Putin, mas que, de facto, continua a ser apontada como uma espécie de braço das políticas energéticas russas. É esta organização que o antigo Chanceler alemão Schroeder vai integrar, a convite de Putin, assunto relacionado com a construção da nova conduta de gás para a Alemanha!

A Ucrânia era um dos beneficiários dessa política de preços subsidiados, mas há já algum tempo que se anunciava um provável fim dessa vantagem, estando em cima da mesa, para negociação, preços substancialmente diferentes. A Rússia considerava-se justificada nessa nova medida, em função de critérios de mercado, quer pela sua próxima admissão à Organização Internacional de Comércio, quer pelo reconhecimento da União Europeia de que a Ucrânia já tinha uma economia de mercado. Ninguém, porém, exclui a eventualidade de que o aumento de preços esteja ligado a um desejo da Rússia em fazer pagar, pelo menos em termos económicos, o progressivo afastamento político da Ucrânia da esfera de influência russa, principalmente depois da Revolução Laranja e subsequente inclinação da Ucrânia para o Ocidente, EUA e Europa.

Durante algum tempo, a Ucrânia terá avaliado os trunfos que tinha por seu lado como suficientes para evitar esse desfecho Contava, para tanto, com o facto de ser através do seu território que passa a conduta de gás de abastecimento da Europa (80% da produção russa). Esta situação proporcionava-lhe duas vantagens: argumento para exigir “direitos de passagem”, que contabilizava em 15% do total das vendas de gás feitas à Europa; tornar improvável qualquer corte significativo do abastecimento porque, inevitavelmente, acabaria por acontecer o mesmo à Europa, contratempo que a Rússia nunca poderia dar-se ao luxo de provocar aos seus parceiros europeus.

Complementarmente, a Ucrânia contava poder usar também os dois seguintes trunfos extra: levantar dúvidas sobre a continuação da concessão de facilidades à Marinha russa em portos do Mar Negro e anunciar o abandono da CIS, em favor de uma nova associação de estados desvinculada da Rússia (Community of Democratic Choice) juntamente com a Geórgia e mais sete países, todos, presentemente, da esfera russa.

Nenhum destes trunfos, porém, alterou a posição russa. Sergei Ivanov, ministro da Defesa russo, referindo-se à ameaça ucraniana de reconsiderar as facilidades dadas à Marinha russa, não podia ter sido mais claro: “O acordo sobre as bases de apoio da esquadra do Mar Negro é parte de um Tratado Bilateral, cuja segunda parte inclui o reconhecimento das fronteiras mútuas. Tentar rever esse tratado será fatal”. A Gazprom continuou a exigir o aumento de preço (de 50 dólares por 1000 metros cúbicos para 230 dólares) e, não conseguindo acordo, começou a cortar o abastecimento russo, a partir do dia 1 de Janeiro.

Não foi preciso esperar muito para que os europeus começassem a protestar.[6] Em resposta, a Rússia garante que o abastecimento para a Europa está a ser feito nas condições habituais e acusa a Ucrânia de desviar o abastecimento para seu próprio consumo, enquanto esta garante que estava apenas a usar reservas próprias e a consumir gás recebido do Turquemenistão, o que a Rússia afirmava não ser verdade.

A disputa, porém, não dura muito; resolve-se ao fim de 3 dias, com um acordo de contrato válido por 5 anos[7]. O que terá permitido este relativamente rápido desfecho? Será ele duradoiro?

A Europa, muito dependente da Rússia em termos energéticos, terá tido, certamente, um papel determinante a pressionar o Presidente Viktor Yushchenko para obtenção de um rápido entendimento com a Rússia. Este terá concluído que o apoio que tem tido da administração Bush, muito entusiasta da saída da Ucrânia da órbita russa, não lhe daria a invulnerabilidade de que precisaria. Por outro lado, ser acusado de constituir a origem de uma situação que estava a afectar os interesses europeus, não seria o mais conveniente para um candidato à entrada na União Europeia e na NATO.

Em complemento do papel europeu na resolução da crise, a interdependência existente entre a Rússia e a Ucrânia acabou também por prevalecer como um elemento decisivo para chamar as duas partes a um acordo. Se a Ucrânia não pode dispensar a importação de gás, pois produz apenas 16% das suas necessidades, a Rússia também não tem alternativa para outro percurso de fornecimento de gás à Europa. A Ucrânia abriga a maior comunidade russa a viver fora do país e mais do que uma área de trânsito para as suas exportações de gás ocupa um papel central nas acessibilidades da Rússia às mais importantes ligações, na área, entre o Leste e o Oeste. Os dois países, para bem da estabilidade mundial, estão condenados a entenderam-se. Caso contrário, teremos mais uma área com alto risco de instabilidade.

O que ganharam as partes com esta crise?

A Rússia não conseguiu impor os preços de mercado, mas conseguiu duas vantagens importantes: fez ver aos europeus que, contrariamente ao que fazem os americanos, devem passar a ter em atenção os interesses russos na Ucrânia; mantém sob seu controlo o fornecimento de gás à Ucrânia, uma vez que as condutas dos novos fornecedores[8] passam pelo seu território; estes também ganharam, ao passar a vender o gás a um preço quase duplo do anterior.

A Ucrânia conseguiu evitar a quadruplicação de preços que a Gazprom tencionava impor mas não evitou a sua duplicação, o que levou à queda do governo, cinco dias depois, e ao retomar da radicalização do combate político, tendo em vista eleições em Março. Estarão, então, de novo em confronto as facções pró-ocidentais do Presidente Yushchenko e da sua anterior primeira-ministra Yulia Timoshenko e a facção pró-Rússia do anterior candidato presidencial Yanukovich, que Putin queria colocar no poder, por manipulação das eleições.

Yanukovich, porém, desta vez, tem por seu lado o facto de as facções pró-ocidentais não estarem unidas e, assim, poder beneficiar de uma dispersão de votos. Se for isso o que vai acontecer, então Putin pode reclamar uma das suas mais importantes vitórias. Talvez, os ucranianos possam voltar, então, aos preços baixos do gás mas a contrariedade será grande para o Ocidente e para a metade da população que quer essa aproximação.

A Europa evitou um corte de gás que, neste período do ano, teria consequências penosas. Mas tem frente a difícil tarefa de encontrar soluções mais consistentes e duradouras de diversificar fornecedores, vias de abastecimento e formas de energia. Melhor seria, por isso, que os europeus se dispusessem a encarar de forma diferente o recurso à energia nuclear, mesmo que essa solução não resolva o problema no curto prazo.

[1] Diz Roland Nash, um analista que trabalha para o Renaissance Capital, um banco de Investimentos em Moscovo.

[2] Washington Post, 4 de Janeiro.

[3] A conduta inicia-se no campo de Yuzhno-Russkoye, que se estima conter cerca de um trilião de metros cúbicos de gás natural e terminará em Greifswald.

[4] A preços de cerca de 1/5 dos praticados para o mercado europeu.

[5] Controla 20% do mercado mundial da produção de gás natura, 16% das respectivas reservas e parte significativa das reservas petrolíferas.

[6] Houve reduções de abastecimento (entre 20 e 50%) na Alemanha, França, Itália, Polónia, República Checa, Eslováquia, Áustria, Hungria e Sérvia.

[7] Segundo o qual, a Ucrânia passará a pagar 95 dólares por cada 1000 metros cúbicos de gás proveniente do Turquemenistão, Uzbequistão e Cazaquistão e 230 dólares pelo gás proveniente da Rússia que possa ser necessário lançar no abastecimento.

[8] Turquemenistão, Uzbequistão e Cazaquistão.




14 fevereiro 2007


Um dia, mortos, gastos, voltaremos
A viver livres como os animais
E mesmo tão cansados floriremos
Irmãos vivos do mar e dos pinhais

O vento levará os mil cansaços
Dos gestos agitados, irreais
E há-de voltar aos nossos membros lassos
A leve rapidez dos animais.

Só então poderemos caminhar
Através do mistério que se embala
No verde dos pinhais, na voz do mar,
E em nós germinará a sua fala.

Sophia de Mello Breyner Andresen (pesquisa Google)



12 fevereiro 2007

Discurso de Putin

February 11, 2007, Munich

“We are well aware of how the world has changed and we have a realistic sense of our own opportunities and potential. And of course we would like to interact with responsible and independent partners, and work together in constructing a fair and democratic world order that would ensure security and prosperity not only for a select few, but for all.”

Vladimir Putin

Speech at the Munich Conference on Security Policy

Extractos do discurso de Vladimir Putin na Alemanha [discurso completo no link ao fundo da página]

Missile weapons with a range of about five to eight thousand kilometres that really pose a threat to Europe do not exist in any of the so-called problem countries. And in the near future and prospects, this will not happen and is not even foreseeable. And any hypothetical launch of, for example, a North Korean rocket to American territory through western Europe obviously contradicts the laws of ballistics. As we say in Russia, it would be like using the right hand to reach the left ear.

The stones and concrete blocks of the Berlin Wall have long been distributed as souvenirs. But we should not forget that the fall of the Berlin Wall was possible thanks to a historic choice – one that was also made by our people, the people of Russia – a choice in favour of democracy, freedom, openness and a sincere partnership with all the members of the big European family.
And now they are trying to impose new dividing lines and walls on us – these walls may be virtual but they are nevertheless dividing, ones that cut through our continent. And is it possible that we will once again require many years and decades, as well as several generations of politicians, to dissemble and dismantle these new walls?

The latest initiatives put forward by American President George W. Bush are in conformity with the Russian proposals. I consider that Russia and the USA are objectively and equally interested in strengthening the regime of the non-proliferation of weapons of mass destruction and their deployment. It is precisely our countries, with leading nuclear and missile capabilities, that must act as leaders in developing new, stricter non-proliferation measures. Russia is ready for such work. We are engaged in consultations with our American friends.

In connection with this I shall talk about international energy cooperation in more detail. Madam Federal Chancellor also spoke about this briefly – she mentioned, touched on this theme. In the energy sector Russia intends to create uniform market principles and transparent conditions for all. It is obvious that energy prices must be determined by the market instead of being the subject of political speculation, economic pressure or blackmail.

We are open to cooperation. Foreign companies participate in all our major energy projects. According to different estimates, up to 26 percent of the oil extraction in Russia – and please think about this figure – up to 26 percent of the oil extraction in Russia is done by foreign capital. Try, try to find me a similar example where Russian business participates extensively in key economic sectors in western countries. Such examples do not exist! There are no such examples.

I would also recall the parity of foreign investments in Russia and those Russia makes abroad. The parity is about fifteen to one. And here you have an obvious example of the openness and stability of the Russian economy.

And there is still one more important theme that directly affects global security. Today many talk about the struggle against poverty. What is actually happening in this sphere? On the one hand, financial resources are allocated for programmes to help the world’s poorest countries – and at times substantial financial resources. But to be honest -- and many here also know this – linked with the development of that same donor country’s companies. And on the other hand, developed countries simultaneously keep their agricultural subsidies and limit some countries’ access to high-tech products.

And let’s say things as they are – one hand distributes charitable help and the other hand not only preserves economic backwardness but also reaps the profits thereof. The increasing social tension in depressed regions inevitably results in the growth of radicalism, extremism, feeds terrorism and local conflicts. And if all this happens in, shall we say, a region such as the Middle East where there is increasingly the sense that the world at large is unfair, then there is the risk of global destabilisation

What do we see happening today? We see that this balance is clearly destroyed. People are trying to transform the OSCE into a vulgar instrument designed to promote the foreign policy interests of one or a group of countries. And this task is also being accomplished by the OSCE’s bureaucratic apparatus which is absolutely not connected with the state founders in any way. Decision-making procedures and the involvement of so-called non-governmental organisations are tailored for this task. These organisations are formally independent but they are purposefully financed and therefore under control.

In connection with this I would allow myself to make one small remark. It is hardly necessary to incite us to do so. Russia is a country with a history that spans more than a thousand years and has practically always used the privilege to carry out an independent foreign policy.

We are not going to change this tradition today. At the same time, we are well aware of how the world has changed and we have a realistic sense of our own opportunities and potential. And of course we would like to interact with responsible and independent partners with whom we could work together in constructing a fair and democratic world order that would ensure security and prosperity not only for a select few, but for all.

Thank you for your attention.

President of Russia - Diplomacy and External Affairs



10 fevereiro 2007




08 fevereiro 2007

Cabeça fumegante

H á dias em que as pessoas acordam dadas às filosofias. Se tal acontece, nada nos faz parar. Numa comparação grosseira, trata-se de algo semelhante ao começar a cantarolar uma melodia, pela manhã, que só nos larga a cabeça à noite, já na cama. Caso uma dessas reflexões profundas nos venha à ideia (estamos em presença, sempre, de um raciocínio brilhante, uma vez que é nosso...), temos a ousadia de pensar que nunca ninguém em tal houvera pensado...

Desta vez, a minha cabeça começou a fumegar sob o efeito da seguinte questão: se a velhice está cada vez menos cotada na bolsa de valores da sociedade, por que raio (expressão pouco consentânea com os rigores da filosofia) nos congratulamos tanto com o aumento da esperança média de vida das pessoas? Claro que, dirão muitos, não se trata, apenas, de viver mais, mas também de viver melhor... Mas a dúvida reside no entendimento daquilo que se considera "viver melhor". E, nesta matéria, acaba-se sempre a pensar em assistência médica permanente, lares de idosos confortáveis e ocupação lúdica do dia-a-dia... Em bom rigor, é um entendimento em tudo semelhante ao que se aplica às crianças, apenas na direcção contrária. Se, no caso destas, o que está em jogo é criar-lhes condições de "entrada" na vida dita "activa", no que respeita aos que estão no final do ciclo vital trata-se das condições de "saída". Se os infantes representam o "esboço" de um projecto, os velhos são o "rescaldo" do mesmo. Ora, o que mais me dá que pensar é a

verificação de que cada vez é menor o prazo para a execução do projecto e maior o prazo de preparação e de pós-execução. Espera-se de nós que, durante um quarto de século, estejamos embrenhados nos treinos para concretizar o que foi exaustivamente planeado; depois, dão-nos uma ou duas décadas, no máximo, para mostrar aquilo de que somos capazes; passado esse tempo... acabou.

Na bolsa da "vida activa", as nossas acções entram em queda progressiva até deixarem de estar cotadas. Ora, esse período considerado agora de perda correspondia dantes a uma fase de estabilidade e solidez no mercado, à qual era possível chamar... "maturidade". Mas, agora, a maturidade deixou de existir e, quando já nos mandaram definitivamente para fora dos mercados de capitais, chamam-nos piedosamente "seniores", "idosos" ou de "terceira (ou quarta) idade"...
A partir daqui, é-nos concedido um rol de benesses: passeios da junta de freguesia, com oferta dos bonés amarelos sobrados da colónia de férias das crianças; mesas novas no jardim, para os torneios de sueca; meia dúzia de lugares no metro; descontos na CP, mesmo que não se possa subir para o comboio; frequência da universidade da terceira idade; festa dos cem anos, no lar, com bolo de velas e reportagem telivisiva; ser entrevistado para protestar contra a falta de médico na freguesia... De que serve, pois, darem-nos papel para acrescentar páginas à nossa biografia sabendo, à partida, que ficarão em branco, porque nos tiraram a caneta da mão?

in NM, JN..
Link "fumegante"

Click no Link "fumegante", ligue o som das colunas e aprecie o som do TGV, começando na coluna direita e terminando na coluna esquerda, até ouvir o "apito final". Depois, sim, click no "ENTRE" (fumegante). Olhe que vale a pena "ENTRER"!!! Não perca as belíssimas imagens (depois tem ainda outras opções).



03 fevereiro 2007

Chico Buarque



01 fevereiro 2007

Bebidas alcoólicas

Consumo moderado de bebidas alcoólicas pode diminuir o risco de ataques cardíacos em homens com hipertensão


consumo moderado de bebidas alcoólicas pode reduzir o risco de ataques cardíacos em homens com problemas de hipertensão, de acordo com o que conclui um estudo publicado recentemente na revista médica "Annals of Internal Medicine". O estudo levado a cabo por investigadores norte-americanos da Harvard School of Public Health e por investigadores holandeses do Instituto de Investigação da Universidade de Weningen, demonstrou, pela primeira vez, que o consumo moderado de álcool não aumenta o risco de doenças cardiovasculares em homens que sofrem de pressão arterial elevada e que um a dois copos por dia podem contribuir para reduzir o risco de ataques cardíacos.

O estudo vai ao encontro de outros estudos que já tinham salientado que o consumo de álcool diminui o risco de doenças do coração, uma vez que aumenta os níveis de colesterol "bom" e dilui o sangue, reduzindo assim o risco de doenças cardiovasculares. Segundo Joline Beulens, uma das autoras da investigação, este estudo é o "primeiro que analisa o risco de ataques cardíacos entre homens com tensão arterial elevada, que bebem moderadamente".

"Uma vez que o consumo excessivo de álcool aumenta a tensão, a maioria dos homens que sofrem de hipertensão são aconselhados a deixarem de beber, mas os resultados deste estudo contrariam este conselho, uma vez que indicam que os homens não precisam de parar de beber, desde que bebam com moderação e responsabilidade", acrescentou a investigadora.

O estudo analisou dados de 11.711 homens com hipertensão que participaram entre 1986 e 2002 num estudo de inspecção de longo prazo, tendo os investigadores analisado os comportamentos de consumo de álcool, assim como o aparecimento de doenças cardiovasculares, ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais (AVC).

in Dica



since 05.12.2005

  • [_Top of Page_]
  • Malaposta

    Subscribe to: Posts (Atom)

    Referer.Org: Referer.Org.Feeds Free counters!