Modelo importado da Inglaterra em 1854
Malaposta

Em 1859, a ligação entre Lisboa e Porto através das carreiras da Malaposta fazia-se em 34 horas e passava por 23 estações de muda. Apesar do bom serviço que as diligências prestavam nessa altura, a sua extinção foi irreversível com o aparecimento do comboio, embora se mantivessem em actividade durante mais algum tempo, como atestam os «manuais do viajante» da época.

24 fevereiro 2006

Capela do Rato

Tratando-se dum assunto que suscita sempre o meu interesse, com a devida vénia ao "JG" do Blog da Sabedoria, copio na íntegra o post "Capela do Rato":
Ocupação da Capela do Rato
30 de Dezembro de 1972
Grupo de cristãos progressistas ocupa a Capela do Rato, organizando uma vigília contra a guerra colonial.
Visa-se o Dia Mundial da Paz e invoca-se o lema A Paz é Possível

Adeus, até ao meu regresso!

(Partida de militares para a guerra colonial)


O pároco da capela era o padre Alberto Neto, sacerdote católico que se destacou pela sua liderança do movimento católico contra a Guerra Colonial e a ditadura fascista de António de Oliveira Salazar e Marcello Caetano. Liderou e incentivou, juntamente com Luis Moita e Nuno Teotónio Pereira, a realização de uma vígilia de reflexão sobre a guerra colonial contra a autodeterminação das então colónias portuguesas em África, então decorrente, e a necessidade de assinar tratados de paz, reconhecendo a sua independencia. Aprovam uma moção criticando a guerra. Da vigília participaram 91 pessoas, católicas e não católicas, entre elas Francisco Pereira de Moura, futuro membro de um dos primeiros governos democráticos, e o actual candidato à Presidência da República, Francisco Louçã, então com 16 anos.

No segundo dia da vígilia, uma grupo de polícia de choque da PIDE-DGS entra à força na capela e prende 91 pessoas aí encontradas, incluindo líderes da oposição ilegalizada e funcionários públicos que foram exonerados. Muitos acabaram a cumprir pena na Prisão de Caxias, para presos políticos. Alguns dias mais tarde, o padre Alberto Neto é demitido das suas funções, e a sua vígilia condenada pelo Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. António Ribeiro, uma acção que leva muitos católicos a demarcarem-se da hierarquia, reforçando a sua oposição ao regime.

No dia 23 de Janeiro de 1973, Miller Guerra, deputado da chamada ala liberal, coloca a questão das prisões na Capela do Rato na Assembleia Nacional. Os deputados ligados ao regime impedem que a discussão prossiga e Miller Guerra é obrigado a pedir a demissão 15 dias depois.

Fontes:
aqui e aqui


Nota: Publicações anteriores do Malaposta acerca da "guerra colonial do autor": Post acumulado.

Etiquetas:

Home»»Hi!

3 Comments:

At 23 fevereiro, 2006 13:23, Blogger martelo said...

era tudo tão bom nesse tempo... aquilo é que era vida!

 
At 23 fevereiro, 2006 21:31, Blogger H. Sousa said...

Lembro-me tão bem...
Acho que já foi o indício do começo do fim do regime. A partir daí o descontentamento foi aumentando gradualmente e havia qualquer coisa no ar, todos o sentiam mas calavam ou falavam à boca pequena com medo ds pides. Outro marco importante foi a saída do livro de António Spínola (Portugal e o Futuro que mais valia ter-se chamado Portugal Sem Futuro) que, não sendo pelo abandono das colónias, discordava da política ultramarina do regime. Isso deu ânimo aos revoltosos.

 
At 24 fevereiro, 2006 22:59, Blogger magnolia said...

Nesse ano, eu tinha apenas 12 anos. Não tinha muito a noção da realidade política, embora algumas coisas me fizessem bastante confusão! Mas estava prestes a passar por um momento desolador que marcou profundamente a minha vida, despertando a minha consciência para a realidade do ser humano, e matando em mim todo e qualquer sentimento em relação a uma fé num ser superior ao Homem.
Um dia talvez faça um post sobre essa história.
Beijo

 

Enviar um comentário

<< Home

since 05.12.2005

  • [_Top of Page_]
  • Malaposta

    Subscribe to: Posts (Atom)

    Referer.Org: Referer.Org.Feeds Free counters!