Modelo importado da Inglaterra em 1854
Malaposta

Em 1859, a ligação entre Lisboa e Porto através das carreiras da Malaposta fazia-se em 34 horas e passava por 23 estações de muda. Apesar do bom serviço que as diligências prestavam nessa altura, a sua extinção foi irreversível com o aparecimento do comboio, embora se mantivessem em actividade durante mais algum tempo, como atestam os «manuais do viajante» da época.

06 março 2006

Fome em Portugal


Temos vergonha de admitir que há fome em Portugal,
diz o padre Agostinho Jardim Moreira. Numa altura em que nos entretemos a questionar sobre a necessidade do TGV e da Ota, em que receamos os efeitos da crise e da recessão, se calhar não "apetece" falar da pobreza e menos ainda da fome
Mas são mais de 200 mil, dizem os números oficiais, a que não se junta a fome que não se vê. O padre Agostinho Moreira, enquanto sacerdote e presidente da Rede Europeia Antipobreza/Portugal, convive diariamente com esta realidade. E fala-nos dela, do que se tem feito para a combater e da pouca solidariedade dos portugueses.



Há anos que o número oficial da fome em Portugal se mantém nos "mais de 200 mil" e o da pobreza nos "dois milhões", mas todos sabemos que tanto um como outro estão longe da realidade.
São, são muitos mais os pobres e os que têm fome, só que o número real dificilmente o saberemos. Os números são os mesmos porque a gente não quer mudar nada. Ainda não houve vontade, nem da parte da sociedade civil nem dos políticos, de resolver o problema.
Envergonha-nos assumir que no nosso país há fome?
Envergonha-nos muito e é por isso que não queremos admitir... Em 1990, quando comecei a andar por Bruxelas por causa da rede [Europeia Antipobreza/Portugal], nem havia pobres nem havia desempregados no nosso país.
De que fome se fala quando se fala em 200 mil?
Apenas da fome mais visível, dos que procuram as instituições. É a fome dos sem-abrigo; é a fome dos idosos que vivem isolados e em condições mínimas de subsistência, sobrevivem com umas bolachas e um copo de leite... Depois há a fome envergonhada e sobre essa não há estatísticas.
Acredita mesmo que é um problema com solução?
Claro que sim, porque o problema não é a falta de géneros nem de produtos alimentares. Quantos agricultores deitam fora o excesso de produção porque a União Europeia decidiu que deviam produzir menos? E também não é a falta de riqueza; ela existe, está é mal distribuida.
O que sugere?
Há várias coisas que faltam, entre elas uma mentalidade diferente. No caso das crianças, falta uma política de educação... no caso dos idosos, é importante aumentar as pensões.
Isso remete-nos uma vez mais para a questão das oportunidades e da inserção social...
Os políticos, neste momento, estão reféns dos grandes grupos económicos. O objectivo é o lucro e o lucro dá poder. As pessoas, se vivem bem ou não, isso é secundário. As pessoas são apenas instrumentos ao serviço da economia. Ainda por altura da Expo'98 dizia-me um senhor importante: "Não se esqueça de que todos os impérios se fizeram à custa de escravos". Ora, se a mentalidade que preside é construir à custa da exploração ou de baixos salários, não importa, o que importa é que se construa.
Continua a pensar que em Portugal só existe fado, futebol e Fátima?
Não vejo muito mais. Agora até vejo pior: desencanto.
in Notícias Magazine do JN.

Etiquetas:

Home»»Hi!

9 Comments:

At 06 março, 2006 19:42, Blogger magnolia said...

A avestruz também enterra a cabeça na areia...
O "António Aleixo" tinha razão na sua quadra:
A ninguém faltava o pão
Se este dever se cumprisse:
- Ganharmos em relação
Com o que se produzisse

Há fome em Portugal, porque infelizmente há muitos que comem demais!
(Hoje não me apetece aprofundar muito...quero apenas mostrar que há coisas que me fazem zangar!)

 
At 06 março, 2006 21:52, Blogger a.castro said...

Eu também fico zangado todas as vezes que leio este texto. Podia não ler tantas vezes, para fazer como a avestruz. Mas não. Insisto, numa espécie de autoflagelação!

 
At 06 março, 2006 23:22, Blogger H. Sousa said...

Meu caro amigo, continuando na mesma toada em que tenho feito as minhas últimas comunicações às embaixadas, os pescadores lá pescar, pescam! Mas quem come são os que "não pescam coisa alguma". Mas que praga é esta, ainda mais perigosa do que a gripe das aves, que não há meio de passar? Será a gripe dos passarões, dos tubarões, dos murcões ou outros terminados em "ões"? Ladrões? Aldrabões? Sei lá...

 
At 07 março, 2006 00:12, Blogger a.castro said...

Amigo Henrique,
Antes de mais, a satisfação pelo regresso!
A parte divulgada da comunicação à embaixada mereceu-me na hora um comentário duma frase, o que por vezes é suficiente, como me pareceu nesse caso.
Quanto ao que desabafa sobre a entrevista dada pelo padre, é tudo isso que diz. Não só não saímos da cepa torta como cada vez ficamos mais pobres, mais desiludidos e mais revoltados.
Que mal fizémos nós ao mundo para merecer tão grande castigo?!
---
Vim há pouco do Briteiros onde inseri um comentário que terminava assim: penso que Portugal deveria pedir ajuda a alguns países de sucesso para que enviassem para cá uma equipa que substituisse a maior parte dos nossos membros do governo... pelo mesmo custo, ou até menos, ficaríamos tranquilos quanto ao nosso futuro!

 
At 07 março, 2006 12:19, Blogger Freddy said...

E em Espanha, como é?

 
At 07 março, 2006 19:54, Blogger martelo said...

é comum ouvir-se dizer que este país continua adiado e há razão para isso.

 
At 07 março, 2006 21:39, Blogger H. Sousa said...

Como geralmente estamos de acordo no essencial, permita-me discordar no acessório, isto é, sei que foi irónico e cáustico no seu comentário no Briteiros, não em relação ao autor mas em relação aos políticos que temos. Mas acontece que se optássemos por políticos estrangeiros ficávamos na mesma. O mal é que os que temos que aturar não são, de facto, portugueses. Se fossem, não fariam tanto para afundar ainda mais o nosso Portugal.

 
At 29 abril, 2008 11:41, Anonymous Anónimo said...

Eu acho que se quisessemos haia menos fome no mundo.Infelizmente continua a haver fome em Portugal, mas tambem há muitos casos de obesidade.

 
At 22 dezembro, 2009 09:35, Anonymous Anónimo said...

patients their sight kozpont yielding gaining discovering regression asked cataract morse
semelokertes marchimundui

 

Enviar um comentário

<< Home

since 05.12.2005

  • [_Top of Page_]
  • Malaposta

    Subscribe to: Posts (Atom)

    Referer.Org: Referer.Org.Feeds Free counters!